Mandioca ajuda a diminuir pobreza no campo - Mercado do Cacau
Aguarde! Carregando...
X

Mercado do Cacau

Mandioca ajuda a diminuir pobreza no campo

Mandioca ajuda a diminuir pobreza no campo

A mandioca pode se transformar no principal cultivo do século 21. A afirmação é da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e está registrada na publicação "Produzir mais com menos: Mandioca – Um guia para a intensificação sustentável da produção", de 2013: "A produção total de mandioca aumentou 60% desde 2000 e está previsto ainda um maior aumento durante esta década, à medida que os políticos reconheçam o enorme potencial da mandioca. Outrora considerada o alimento dos pobres, a mandioca emergiu como uma cultura polivalente para o século 21, que responde às prioridades dos países em desenvolvimento, às tendências da economia global e aos desafios da mudança climática".

No Brasil, o cenário é promissor. De acordo com dados de 2012 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o País produziu 23 milhões de toneladas em 1,7 milhão de hectares e exportou raízes de mandioca, frescas, refrigeradas, congeladas ou secas. Os principais destinos são Uruguai, Reino Unido e Paraguai. Estados Unidos, Bolívia e Venezuela são os principais países que recebem a fécula de mandioca brasileira.

Agricultores familiares e pequenas agroindústrias têm investido cada vez mais na produção de iguarias, como beijus tradicionais e coloridos (preparados com frutas e hortaliças), biscoitos, sopas, mingaus, tortas e pães. Com isso, a raiz passou a agregar valor para o agricultor familiar, melhorando sua renda, qualidade de vida e sustentabilidade no meio rural. Além disso, a partir de pesquisas de melhoramento genético, produtores têm acesso a variedades com maior teor nutritivo, mais adequadas às exigências da indústria, aumentando a qualidade de vida de um milhão de trabalhadores rurais. E a pobreza de quem trabalha com a cultura vai ficando para trás.

 

É o caso de José Carlos Mendonça, de Cruz das Almas (BA), que conheceu o processo de fabricação dos beijus coloridos e começou a fornecê-los não só em seu boxe na feira como para a merenda escolar municipal, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). "Meu lucro mensal cresceu 50%, mas minha qualidade de vida aumentou 100%. Antes, eu vendia em média 100 pacotes por semana. Agora, são dois mil. Antes, eu procurava o comércio. Hoje, chego a rejeitar encomendas porque não posso atender", diz. Sua casa de farinha funciona três dias por semana, das 2h às 14h, e emprega mais seis pessoas – antes eram somente ele e seu irmão.

 

Em Vitória da Conquista (BA), a cultura também mostra a sua força. Desde 2005, a tradicional região produtora de derivados de mandioca, a exemplo de biscoitos de polvilho, beijus e bolachas de goma, sedia a Cooperativa Mista Agropecuária do Sudoeste da Bahia (Coopasub), que tem mudado a vida de 2.306 agricultores e suas famílias. A Embrapa e outras instituições parceiras – como Fundação Banco do Brasil, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) – estão presentes desde as primeiras discussões, antes mesmo da sua implantação.

 

Segundo Izaltiene Rodrigues, presidente da cooperativa desde a fundação, quando eram apenas 108 integrantes, a evolução é visível. "Melhorou muito a vida dos cooperados em relação à comercialização dos produtos, pois se tem a certeza de venda garantida e melhor preço", declara.

 

A cooperativa se estruturou e, em 2011, inaugurou o complexo industrial, formado por fecularia, empacotadora de farinha e estufas para secagem da fécula fermentada. "O complexo foi pensado para melhorar o preço da raiz na região e contou com a participação de todos os parceiros na elaboração e discussão para sua construção", explica Izaltiene. Da Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura do Estado da Bahia, a cooperativa ganhou, naquele mesmo ano, o Selo de Identificação da Agricultura Familiar.

 

As principais regiões produtoras são Norte e Nordeste. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), mais de 85% da produção da mandioca vem da agricultura familiar. "Quase um milhão de trabalhadores cultivam a planta. A mandioca é expressiva e importante para a segurança alimentar no País", afirma Valter Bianchini, secretário nacional da Agricultura Familiar do MDA.

 

A opinião é compartilhada por Wilson Dias, diretor da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia, que relata que a cadeia produtiva da mandioca é uma das principais da agricultura familiar do estado. "Dos 665 mil agricultores, pelo menos metade, 300 mil famílias, tem alguma quantidade de mandioca em sua propriedade. Qualquer intervenção que se fizer nessa cadeia produtiva impacta diretamente na produtividade desse quantitativo grande de famílias e também na economia local, pois, em qualquer ganho de produtividade há repercussão imediata na renda e na economia local".

 

A dificuldade de o produtor, principalmente do Nordeste, conseguir material de qualidade, com importantes características de resistência (à seca, doenças ou pragas, por exemplo), foi percebida pela Embrapa Mandioca e Fruticultura, o que resultou na "Rede de multiplicação e transferência de materiais propagativos de mandioca com qualidade genética e fitossanitária" (Reniva). Com foco no pequeno agricultor, que receberá mudas de variedades de uso tradicional dos produtores e de cultivares geradas ou recomendadas pela Embrapa, o projeto Reniva tem como meta contribuir para a estruturação da cadeia da mandiocultura para minimizar, futuramente, os efeitos das secas prolongadas. Fonte: Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical

Deixe seu comentário para Mandioca ajuda a diminuir pobreza no campo

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR ESTE POST! Deixe agora o Seu Comentário :)
Avalie Este Conteúdo: 1 2 3 4 5
[Aguarde, Buscando Dados!]
Notícias Relacionadas

As preocupações com a próxima safra de cacau no oeste da África levaram os preços futuros da amêndoa a fecharem...

Publicidade

Vídeos

Vídeos